domingo, 13 de janeiro de 2008

5 Pontos
da
Confissão de Fé Batista de 1689




DO HOMEM E SUA CONDIÇÃO
Este primeiro ponto refere-se ao Capítulo 6 da Confissão: “A queda do Homem; o Pecado e sua punição”, artigos 2,3 e 4. Comumente se define a condição do homem como de “Total Depravação”, isso não quer dizer que ele não seja capaz de fazer o bem de modo absoluto, mas que é totalmente inabilitado para o bem espiritual.

2. Por esse pecado [o primeiro pecado], nossos primeiros pais decaíram de sua condição original de retidão e comunhão com Deus. No pecado deles nós também pecamos, e por isso a morte veio sobre todos; [3] todos se tornaram mortos no pecado [4] e totalmente corrompidos, em todas as faculdades e partes do corpo e da alma.[5]

[3] Romanos 3:23.
[4] Romanos 5:12-21.
[5] Tito 1:15; Gênesis 6:5; Jeremias 17:9; Romanos 3:10-19.

3. Sendo eles os ancestrais e, pelo desígnio de Deus, os representantes de toda humanidade, a culpa do pecado foi imputada a toda a sua posteridade, e a corrupção natural passou a todos os seus descendentes, [6] por nascimento, visto que todos são concebidos em pecado. [7] E são por sua natureza filhos da ira, [8] escravos do pecado e passíveis de morte; [9] e todos estão sujeitos às misérias espirituais, temporais e eternais, amenos que o Senhor Jesus os liberte [10]


[6] Romanos 5:12-19; I Coríntios 15:21-22,45,49.
[7] Salmo 51:5; Jó 14:4.
[8] Efésios 2:3.
[9] Romanos 6:20; Romanos 5:12.
[10] Hebreus 2:14-15; I Tessalonicenses 1:10.


4. Da corrupção natural procedem todas as atuais transgressões, [11] porque ela nos torna completamente indispostos, incapacitados e contrários a todo bem, e totalmente inclinados para todo o mal. [12]


[11] Tiago 1:14-15; Mateus 15:19.
[12] Romanos 8:7; Colossenses 1:21.

DA SOLUÇÃO DIVINA
Este segundo ponto refere-se ao Capítulo 3 da Confissão: “Do Decreto de Deus”, art.5. Este segundo ponto é definido como “Eleição Incondicional”, uma conseqüência natural, lógica e bíblica da doutrina da depravação total. Se o homem está morto em seus delitos e pecados, segue-se que a solução para essa condição está fora dele, no caso, em Deus.



5. Dentre a humanidade, aqueles que são predestinados para a vida, Deus os escolheu em Cristo para glória eterna; e isto de acordo com o seu propósito eterno e imutável, pelo conselho secreto e pelo beneplácito da sua vontade, antes da fundação do mundo, apenas por sua livre graça e amor, [11] nada havendo em suas criaturas que servisse como causa ou condição para essa escolha. [12]


[11] Efésios 1:4,9,11; Romanos 8:30; II Timóteo 1:9; I Tessalonicenses 5:9.
[12] Romanos 9:13,16; Efésios 2:5,12.


6. Deus não apenas designou os eleitos para glória, de acordo com o propósito eterno e espontâneo da sua vontade, mas também preordenou todos os meios pelos quais o seu propósito será efetivado. [13] Por isso os eleitos, achando-se caídos em Adão, são redimidos em Cristo [14] e chamados eficazmente para a fé nEle, pela ação do Espírito Santo, e no seu devido tempo; e são justificados, adotados, santificados [15] e guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para salvação. [16 ]
Ninguém mais é redimido por Cristo, chamado eficazmente, justificado, adotado, santificado e salvo, senão unicamente os eleitos. [17]


[13] I Pedro 1:2; II Tessalonicenses 2:13.
[14] I Tessalonicenses 5:9-10.
[15] Romanos 8:30; II Tessalonicenses 2:13.
[16] I Pedro 1:5.
[17 ]João 10:26; João 17:9; João
6:64.

DA EXPIAÇÃO EFICAZ POR CRISTO
Esse terceiro ponto refere-se ao Capítulo 8: “Cristo, o Mediador”, artigos 4,5,6 e 8. Costuma-se definir esse ponto como “Expiação Particular” cujo significado básico é que Cristo morreu especificamente por aqueles que nEle crêem, isto é, os eleitos.

4. Esse ofício o Senhor Jesus assumiu de muitíssima boa vontade [21] e cumpriu perfeitamente; foi para isso que nasceu sob a lei. [22] Ele suportou o castigo que a nós era devido, que nós deveríamos ter recebido e sofrido. [23] E foi feito pecado e maldição, por nossa causa, [24] suportando as tristezas mais aflitivas em sua alma, e os sofrimentos mais dolorosos em seu corpo. [25] Foi crucificado e morreu; e, embora tenha estado sob o poder da morte, seu corpo não viu corrupção. [26] Ao terceiro dia Ele se levantou dentre os mortos,27 com o mesmo corpo em que havia sofrido, [28] e com o qual ascendeu ao céu. [29] Ele está assentado à direita de seu Pai, como intercessor, [30] e voltará para julgar homens e anjos, no fim do mundo. [31]


[21] Salmo 40:7-8; Hebreus 10:5-10; João 10:18.
[22] Gálatas 4:4; Mateus 3:15.
[23] Gálatas 3:13; Isaías 53:6; I Pedro 3:18.
[24] II Coríntios 5:21.
[25] Mateus 26:37-38; Lucas 22:44; Mateus 27:46.
[26] Atos 13:37.
[27] I Coríntios 15:3-4.
[28] João 20:25,27.
[29] Marcos 16:19; Atos 1:9-11.
[30] Romanos 8:34; Hebreus 9:24.
[31] Atos 10:42; Romanos 14:9-10; Atos 1:11; II Pedro 2:4.



5. Por sua obediência perfeita, e pelo sacrifício que fez de si mesmo (que Ele, pelo Espírito Santo, ofereceu a Deus uma única vez), o Senhor Jesus satisfez plenamente a justiça de Deus,[32] obteve a reconciliação e adquiriu uma herança eterna no reino dos céus, para todos quantos foram dados a Ele pelo Pai.[33]


[32] Hebreus 9:14; Hebreus 10:14; Romanos 3:25-26.
[33] João 17:2; Hebreus 9:15.


6. O preço da redenção não foi pago por Cristo senão após a sua encarnação. No entanto, a virtude, a eficácia e os benefícios da redenção foram sucessivamente comunicados aos eleitos, em todas as eras, desde o começo do mundo, nas – e através das – promessas, tipos e sacrifícios em que Cristo foi revelado, e que o apontavam como o descendente da mulher, aquele que iria esmagar a cabeça da serpente; [34] e como o Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo, [35] o mesmo ontem, hoje e para sempre. [36]


[34] I Coríntios 10:4; Hebreus 4:2; I Pedro 1:10-11.
[35] Apocalipse 13:8.
[36] Hebreus 13:8.


8. Cristo certamente aplica e comunica eficazmente a redenção eterna, para todos quantos Ele a obteve: fazendo intercessão por eles; [38] unindo-os a si mesmo por seu Espírito; revelando-lhes o mistério da salvação, na Palavra e pela Palavra; persuadindo-os a crer e obedecer;[39] governando os corações deles por seu Espírito e sua Palavra; [40] e vencendo todos os inimigos deles, por seu poder e sabedoria infindos, [41] de modo tal e por caminhos que são os mais harmoniosos com a sua maravilhosa e insondável providência; e tudo por sua graça livre e soberana, sem a precondição de neles ter sido vista de antemão uma busca pela redenção. [42]


[38] João 6:37; João 10:15-16; João 17:9; Romanos 5:10.
[39] João 17:6; Efésios 1:9; I João 5:20.
[40] Romanos 8:9,14.
[41] Salmo 110:1; I Coríntios 15:25-26.
[42] João 3:8; Efésios 1:8
.

DA PODEROSA GRAÇA DE DEUS
O quarto ponto refere-se ao Capítulo 10 da Confissão: “A Chamada Eficaz”, artigos 1 e 2. Geralmente se denomina “Graça Irresistível”, que não implica em violência a vontade humana, mas simplesmente que não pode ser frustrada.

1. Aqueles a quem Deus predestinou para a vida, Ele se agrada em chamar eficazmente, [1] no tempo aceitável e por Ele mesmo determinado; por meio de sua Palavra e de seu Espírito; do estado natural de pecado e morte, para a graça e a salvação por Jesus Cristo. [2]
Isso Deus faz iluminando-lhes a mente de maneira espiritual e salvadora, para que compreendam as coisas de Deus; [3] tirando-lhes o coração de pedra e dando-lhes um coração de carne; [4] renovando-lhes a vontade e, pela sua onipotência, predispondo-os para o bem e trazendo-os irresistivelmente para Jesus Cristo. [5] No entanto, eles vêm a Cristo espontânea e livremente, porque a graça de Deus lhes dispõe o coração para isso. [6]


[1] Romanos 8:30; Romanos 11:7; Efésios 1:10-11; II Tessalonicenses 2:13-14.
[2] Efésios 2:1-6.
[3] Atos 26:18; Efésios 1:17-18.
[4] Ezequiel 36:26.
[5] Deuteronômio 30:6; Ex.36:27; Efésios 1:19.
[6] Salmo 110:3; Cantares de Salomão 1:4.


2. A chamada eficaz é resultante da graça especial e gratuita, de Deus, e não de algo que de antemão seja visto no homem; e nem de poder algum ou ação da criatura cooperando com a graça especial de Deus. [7] Por estar morta em pecados e transgressões, a criatura mantém-se totalmente passiva, até que, na chamada eficaz, ela seja vivificada e renovada pelo Espírito Santo. [8] A pessoa, então, é habilitada a responder a essa chamada e a abraçar a graça que ela comunica e oferece. Para isso é necessário um poder que de modo nenhum é menor do que aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. [9]


[7] II Timóteo 1:9; Efésios 2:8.
[8] I Coríntios 2:14; Efésios 2:5; João 5:25.
[9] Efésios 1:19-20.


DA SALVAÇÃO ETERNA
O quinto ponto refere-se ao Capítulo 17 da Confissão: “A Perseverança dos Santos” que significa que os que os salvos não podem perder a salvação.

1.Os que Deus aceitou no Amado, aqueles que foram chamados eficazmente e santificados por seu Espírito, e receberam a fé preciosa (que é dos seus eleitos), esses não podem decair totalmente nem definitivamente do estado de graça. Antes, hão de perseverar até o fim e ser eternamente salvos, tendo em vista que os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis, e Ele continuamente gera e nutre neles a fé, o arrependimento, o amor, a alegria, a esperança e todas as graças que conduzem à imortalidade. [1] Ainda que muitas tormentas e dilúvios se levantem e se dêem contra eles, jamais poderão desarraigá-los da pedra fundamental em que estão firmados, pela fé.
Não obstante, a visão perceptível da luz e do amor de Deus pode, para eles, cobrir-se de nuvens e ficar obscurecida, [2] por algum tempo, por causa da incredulidade e das tentações de Satanás. Mesmo assim, Deus continua sendo o mesmo, [3] e eles serão guardados pelo poder de Deus, com toda certeza, até a salvação final, quando entrarão no gozo da possessão que lhes foi comprada; pois eles estão gravados nas palmas das mãos de seu Senhor, e os seus nomes estão escritos no Livro da Vida, desde toda eternidade.


[1] João 10:28-29; Filipenses 1:6; II Timóteo 2:19; I João 2:19.
[2] Salmo 89:31-32; I Coríntios 11:32.
[3] Malaquias 3:6.


2. Esta perseverança não depende de um livre-arbítrio da parte dos santos; mas, sim, decorre da imutabilidade do decreto da eleição, [4] fluindo do amor gratuito e inalterável de Deus Pai, sobre a eficácia do mérito e da intercessão de Jesus Cristo; da união com Ele; [5] do juramento de Deus; [6] da habitação de seu Espírito e da semente de Deus dentro neles; [7] da natureza do pacto da graça. [8] De tudo isso decorrem também a certeza e a infalibilidade da perseverança dos santos.


[4] Romanos 8:30; Romanos 9:11,16.
[5] Romanos 5:9-10; João 14:19.
[6] Hebreus 6:17-18.
[7] I João 3:9.
[8] Jeremias 32:40.


3. Levados pela tentação de Satanás e do mundo, pela prevalência da corrupção que ainda permanece dentro deles, ou pela negligência aos meios para a sua própria preservação, os santos podem incorrer em tristes pecados, e continuar em tais pecados, por algum tempo. [9]
Desse modo, eles caem em desagrado perante Deus e entristecem o seu Santo Espírito; [10] vêem-se privados de bênçãos e confortos; [11] têm os seus corações endurecidos e ferida a consciência; [12] ofendem e escandalizam outras pessoas; e fazem vir sobre si mesmos os juízos de Deus, ainda neste mundo. [13]
Não obstante, eles renovarão o seu arrependimento, e serão preservados através da fé em Cristo Jesus, até o fim. [14]


[9] Mateus 26:70,72,74.
[10] Isaías 64:5,9; Efésios 4:30.
[11] Salmo 51:10,12.
[12] Salmo 32:3-4.
[13] II Samuel 12:14.

[14] Lucas 22
:
32,61-62.




Palavras de Charles H. Spurgeon ao publicar a Confissão:




Não estejais envergonhados de vossa fé; lembrai-vos de que ela é o antigo evangelho dos mártires, dos confessores, dos reformadores e dos santos. Acima de tudo vivei em Cristo Jesus e caminhai nEle, dando ouvidos a nenhum ensinamento senão aquele manifestamente aprovado por Ele e de propriedade do Espírito Santo. Apegai-vos com firmeza à Palavra de Deus, que aqui está, mapeada para vós.


Silas Roberto
Soli Deo Glória!

Recomendo a leitura de:
Os Cinco Pontos do Calvinismo, W. J. Seaton, PES
TULIP, D. E. Spencer, CEP
Fé para Hoje, Fiel