sexta-feira, 11 de março de 2011

O Homem de Deus (iv)

Silas R. Nogueira

Além disso, Paulo destaca que alguns perigos cercam aqueles que estão “querendo” [os que fazem da aquisição de bens materiais, o alvo e o propósito únicos de sua existência] ser ricos:
(a)  Cair em tentação, v.9a. O tempo do verbo “caem” indica que os que querem ser ricos caem todo o tempo em tentação.  O senso moral dos gananciosos fica ofuscado pela paixão que os domina de modo que se precipitam em tentação.  
(b) Cair em ciladas, v 9b. A palavra “cilada” pode ser traduzida por “laço”. Há muitos laços na riqueza, um deles é colocado no seu pescoço para sufocá-lo, outro é colocado num dos pés para prendê-lo. Deuteronômio 7.25 deixa claro que o desejo pela riqueza é um laço (“para que não te enlaces”, ARA, ARC), captura você e o escraviza. 
(c)  Cair em desejos insensatos, v.9c. o desejo pela riqueza não só escraviza, nos faz agir de modo irracional. A riqueza leva as pessoas a frequentar círculos onde as regras são diferentes, a pressão social é enorme e os valores são totalmente distorcidos.
O resultado final disso é a submersão na ruína e perdição – “as quais afogam os homens na ruína e perdição”. A palavra que Paulo usa aqui para ilustrar o que ocorre com aqueles que buscam a riqueza é a mesma para referir-se a um navio que é arrastado para o fundo do mar. Não é um quadro de devastação parcial, mas de devastação total. Duas palavras ainda chamam nossa atenção, a primeira é “ruina” (gr. olethros) e a segunda é “destruição” (gr. apoleia). Elas são usadas aqui de modo intercambiável. A primeira, algumas vezes é usada com relação à destruição do corpo, a segunda com frequência é ligada à perdição da alma. O uso combinado das duas palavras aqui provavelmente refere-se a perca total do corpo e da alma na ânsia pela riqueza. v.10. Por isso Paulo diz que o “amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”. Então exemplifica – “alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitos males”. A busca pela riqueza é uma tarefa autoflagelante da qual o homem de Deus foge. 

continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário