terça-feira, 24 de setembro de 2013

TRANSFORMANDO PROVAÇÕES EM TRIUNFOS

Silas Roberto Nogueira
Comunidade Batista da Graça, Suzano/SP
Exposição da Epístola de Tiago
Anotações do Sermão


Tiago 1:2-4


Tiago começa sua carta tratando de um dos temas mais espinhosos da vida cristã, as provações. Sem rodeios, ele afirma que as provações são muitas e inevitáveis. O cristão não pode evitar as provações, elas sobrevêm a eles indistintamente e das mais variadas maneiras. Há muitos que ao cair em provações desanimam, murmuram, blasfemam e se impacientam. Sem notar, prolongam as suas provações e as transformam em tentações dando ocasião ao pecado que gera a derrota espiritual. Tiago nos mostra aqui que só existe uma maneira de enfrentar as provações. Só há um único modo de transformamos as tribulações em triunfos. Vejamos o que nos ensina Tiago:

O primeiro ponto que quero destacar é que precisamos enfrentar as provações com alegria. No dicionário, provação e tribulação sempre vem antes de triunfo, mas não antes da alegria. As provações são circunstâncias que nos sobrevém em que nossa fé é testada. A ordem de Tiago aqui não é somente que nos alegremos por causa das provações, mas que experimentemos uma plenitude de alegria (“toda alegria”). Essa mensagem pode ser encontrada em todo o Novo Testamento. Cristo ensinou isso (Mt 5:11,12), essa foi a experiência dos primeiros crentes (At 13:48-52 ) e o ensino dos apóstolos, Paulo ( 2 Co 7:4), Pedro (1 Pe 4:13), autor de Hebreus (Hb 10:34). A questão que devemos levantar então é: qual a natureza dessa alegria? Tiago não explica. Simplesmente ordena: alegre-se. Mas nós não estamos no escuro. O próprio contexto e outras partes da Bíblia explicam a natureza dessa alegria.

Essa alegria não tem sua fonte nas circunstâncias, mas é independente delas. Tiago deixa evidente que a alegria aqui não tem uma relação direta com aquilo que estamos experimentando ou sentindo. A alegria ordenada aqui é possível mesmo em meio às circunstâncias adversas, mesmo em meio às provações. Portanto, a alegria aqui é independente das circunstâncias. O cristão não depende das circunstâncias para experimentar a alegria. John Blanchard “a verdadeira alegria resplandece no escuro.”

Essa alegria não é insensibilidade à dor. Tiago não diz não sinta dor, não chore, mas alegre-se. Essa alegria não nos torna insensíveis ou imunes à dor. Tiago, por exemplo, cita Jó como modelo de alguém que sofreu com paciência (5:11). Ora, nós sabemos que Jó chorou e esteve de luto por tudo que passara (Jó 30:25-31). Tiago também cita os profetas como modelo de sofrimento, e sabemos que entre os que mais sofreram estava Jeremias, cujos lamentos estão registrados em seus livros (Jr 15:10). Essa alegria coexiste com a dor e o sofrimento, não nos torna insensíveis ou imunes a eles.

Essa alegria não é natural, mas sobrenatural. Tiago não diz que devemos produzir alegria. Tiago apenas ordena que nos alegremos. Como um dom perfeito, essa alegria tem como origem o nosso Deus, Tg 1:17. De acordo com Paulo é Deus quem nos enche dessa alegria, Rm 15:13. Aos crentes gálatas Paulo fala dessa alegria como fruto do Espírito santo, Gl 5:22. Assim sendo, essa alegria é divina, não humana, não é natural, mas sobrenatural. O puritano Thomas Watson dizia “há tanta diferença entre as alegrias espirituais e as terrenas quanto entre um banquete saboreado e outro pintado na parede”.


 O segundo ponto que devo destacar é o porquê devemos nos alegrar. De acordo com Tiago “muitas” são as provações pelas quais os crentes passam. Talvez a afirmação de Tiago aqui seja um eco do salmista que havia afirmado “muitas são as aflições do justo” (Sl 34:19). Duas coisas devem ser observadas de imediato: 

(a) As provações são inevitáveis. A palavra “passardes” tem o sentido de ser tomado de assalto e isso indica que as provações sobrevinham a eles de modo repentino, sem que pudessem evitar. Cristo declarou “no mundo tereis tribulações” (Jo 16:33). Paulo afirmou que todos os que querem viver piedosamente padecerão perseguições (2 Tm 3:12). C. S. Lewis afirmou “o verdadeiro problema não está na razão por que algumas pessoas piedosas, humildes e crentes sofrem, mas por que algumas não sofrem”. A igreja em Sardes não enfrentava perseguições, vivia tranquilamente em amizade com o mundo, mas estava morta; 

(b) Só existe uma maneira de enfrentar as provações: embora sejam muitas as provações, só existe uma maneira de enfrenta-las e é com alegria. Os crentes não estão imunes ao sofrimento.  Alguns dos leitores originais de Tiago estavam enfrentando a viuvez e pela orfandade (1:27), alguns foram processados pelos ricos opressores (2:6), outros sofriam opressão social (5:1-4) e ainda outros enfrentavam doenças (5:14). Contudo, Tiago não lhes ensina fugir das provações, mas a enfrenta-las com uma mentalidade alegre. E porque devemos ter tal atitude em relação às provas da vida?

É uma ordem: Mt 5.12; Fp 2.18;4.4; 1 Ts 5.16;1 Pe 4.13. Não nos cabe negociar ou discutir, apenas obedecer. Só há duas maneiras de enfrentar as provações na Bíblia. O primeiro é desobedientemente, isto é, sem alegria e tão somente com a dor; o segundo modo é alegremente, apesar da dor.

Por que a alegria é nossa força. Não há maneira melhor de enfrentar as provações do que com alegria. A razão disso é simples: a alegria do Senhor é nossa força, Ne 8.10. Força para superarmos as provações e sermos finalmente aprovados. John MacAr
thur comenta com sabedoria que “se o cristão não consegue passar nessa prova por responder a ela de maneira incorreta, essa prova então se torna uma tentação, uma incitação ao mal.”

Por que glorifica a Deus. O mundo não conhece essa alegria, mas pode conhecer através de nós. Há incrédulos que enfrentam os revezes da vida com firmeza inabalável, contudo sem alegria. Mas ao cristão é possível a alegria mesmo em meio às dores e isso o mundo não conhece. Ao enfrentar as provações com alegria, o cristão glorifica a Deus. Por isso Narthcote Deck afirmou: “Um cristão sem alegria é um difamador de seu Senhor”

O terceiro e último ponto que devo destacar aqui é como obter a alegria que triunfa da provação. Estamos cientes de que devemos enfrentar as provações com alegria. É uma ordem divina, será bom para nós mesmos, será um bom testemunho e finalmente glorificará a Deus. Mas a questão que se levanta: como podemos obter a alegria triunfante?

Achegue-se a Deus, pois ele é manancial de alegria: A primeira coisa que devemos saber é que essa alegria é fruto do nosso relacionamento com Deus, 1 Cr 16:27 (“formosura” lit. é alegria); Sl 16:11.

Considere a situação sob outra perspectiva: atente para as palavras “tende por motivo”, notou que em algumas versões é “considerai”? (AS21; NVI) O que é considerar? Dar atenção a, levar em conta, observar atentamente, meditar em, pesar, examinar, apreciar. A palavra no original tem a crença que não descansa sobre os sentimentos, mas na devida consideração dos fatos e que contrasta e pesa as circunstâncias. Em outras palavras, não se deixe levar pelas emoções, mas pondere bem e observe que a situação presente pode revelar-se uma ação providencial de Deus que redundará em benefícios espirituais a você e a outros.

Considere que as provações são sempre passageiras: Tiago assevera “tende por motivo de toda alegria o passardes...”. As provações na vida do crente podem ser muitas, mas são sempre passageiras. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem ao amanhecer, Sl 30:5. Alguns passam pelas lutas de modo rápido, outros mais devagar e ainda outros lentamente, mas todos passam! Pedro ao se referir às provações diz que elas são “por breve tempo” (1 Pe 1:6) e Paulo fala delas “leve e momentânea” provação (2 Co 4:17). O cristão passa pelo deserto, não mora nele. A dor circunstancial não pode fazer com que você perca a alegria que é eterna!

Considere as provações pedagógicas: há um aspecto e esse é absolutamente importante em nossas considerações. Não podemos experimentar alegria se não o compreendermos corretamente. O aspecto sumamente importante em nossa consideração das provações é que elas têm um foco pedagógico, querem nos ensinar, aperfeiçoar e não destruir. A frase “muitas provações” fala não somente de quão variadas são as provações, mas que certamente há uma para cada momento e para cada área em nossa vida que precisa ser aperfeiçoada. Tiago nos diz que as provações visam produzir em nós a “perseverança”. A perseverança é uma das virtudes mais necessárias aos crentes. Os que perseveram em meio às lutas da vida provam que não tem uma fé momentânea. A perseverança é um sinal de uma fé íntegra, não deficiente. As provações não são prisões, mas túneis pelos quais caminhamos rumo à liberdade em Cristo.

Para concluir entendo que cabem bem aqui as palavras de William Shakespeare: “eu aprendi que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você está escalando-a”.


Tiago nos ensina que as tribulações da vida devem ser encaradas com alegria. Esse é o método de Deus de transformar tribulações em triunfo.